3 Avanços tecnológicos durante COVID-19

Atualizado: Set 15


Enquanto estamos todos dentro de casa em home-office, a tecnologia continua avançando e acelerando as aplicações em diversos setores. Três exemplos de prototipação/inovação em três áreas diferentes que irão mudar hábitos de consumo como criar novas oportunidades.


Estamos perto de presenciar uma mudança drástica na forma de escutar música. Elon Musk acaba de afirmar que a sua start-up Neuralink irá lançar no dia 28 de agosto um novo device que irá permitir escutar música diretamente nos circuitos cerebrais.  E o próprio Musk parece não conseguir evitar a provocação da interface cérebro-computador. Na tarde de domingo, quando o cientista da computação Austin Howard perguntou a Musk no Twitter se um dia poderíamos ouvir música diretamente através de uma interface desse tipo – transmitindo-a diretamente para o cérebro, em outras palavras, sem a necessidade de fones de ouvido – Musk respondeu com um breve sim . Este lançamento tem que conferir!!!


As primeiras informações deste tipo de dispositivo têm como objetivo principal restaurar conexões neurais nas pessoas que sofrem de distúrbios cerebrais, incluindo Parkinson, confirmou Musk durante uma recente aparição em podcast. Ainda não está totalmente claro se as interfaces cérebro-computador da Neuralink serão capazes de interferir nas conexões  do ouvido e transmitir música magicamente para o cérebro auditivo.

Mas Musk já está de olho em coisas maiores. Quando perguntado por outro usuário do Twitter se os dispositivos da Neuralink também poderiam ajudar a “estimular a liberação de ocitocina, serotonina e outros produtos químicos quando necessário”, Musk respondeu com outro “sim”.


O Amazon’s Scout, um serviço de entrega de robôs completamente autônomo que a a Amazon lançou em janeiro de 2019, está passando por testes em Atlanta, Geórgia e Franklin, Tennessee. Até agora, o serviço fazia entregas para um pequeno conjunto de clientes em locais selecionados. Agora a empresa começa a fase de expansão em outras cidades para poder escalar.


A Amazon não informou quantos clientes o Scout atenderá ou quantos robôs estão operando. O lema da Amazon é entregar qualquer coisa em qualquer lugar em 1 hora!! Mas para uma empresa cuja reputação depende de entrega rápida e confiável, a Amazon está tratando o projeto com cautela. Atualmente, um “pequeno número de dispositivos Amazon Scout” está operando de segunda a sexta-feira durante o horário de verão nos novos locais.


Os robôs de entrega estão se tornando  populares com o advento do coronavírus, para minimizar a interação humana, como entregas sem contato e serviços de coleta na calçada. A Amazon afirmou que os testes de Scout continuaram em meio à pandemia, ajudando a empresa a “atender à crescente demanda de clientes, complementando nossa rede de transporte”.


O protótipo FingerTrack que capta movimentos integrados com os Óculos Inteligentes pode ser um novo caminho para realidade aumentada e virtual. Em uma nova pesquisa da Universidade de Cornell e da Universidade de Wisconsin, Madison, está sendo estudada a integração das nossas mãos e dedos sem precisar tocar na tela com óculos inteligentes que captam os movimentos usando câmeras com sensores térmicos. Futuro promissor para várias aplicações ligadas aos wearables e a deficientes físicos.


O protótipo FingerTrack uma criação que lembra as luvas sem toque que Tom Cruise usou para interagir com os computadores da polícia futuristas no Minority Report, e é uma abordagem que já foi usada em aplicativos e pesquisas da vida real. Todos nós desenvolvemos memórias musculares para navegar e digitar mensagens rapidamente em um smartphone e, se você é um datilógrafo, provavelmente pode passar facilmente pelos movimentos sem ter um teclado real para digitar.


A olho nu, não faz muito sentido, mas quando as imagens das quatro câmeras térmicas são mescladas, o aprendizado de máquina pode ser usado para interpretar  e extrapolar as posições de cada dedo. E, com precisão suficiente para distinguir entre as posições das articulações de 20 dedos. Por mais indescritível que as imagens do mapa de calor possam aparecer, fazer um gesto de apontar com um dedo, por exemplo, sempre resultará na captura da mesma forma pelas câmeras, o que significa que, mesmo que as câmeras térmicas não estejam perfeitamente alinhadas o tempo todo, um modelo de aprendizado de máquina ainda poderá usar as imagens do mapa de calor para saber como a mão é posicionada e como está se movendo.


O protótipo FingerTrack definitivamente ainda se parece com um protótipo e um dispositivo que poucos consumidores estariam dispostos a amarrar nos braços em sua forma atual. Mas, eventualmente, a tecnologia poderia ser integrada a um dispositivo como um smartwatch, que os consumidores adotaram prontamente. Existem também outras aplicações além de possibilitar o futuro dos wearables. A tecnologia também pode produzir dispositivos de baixo custo, capazes de traduzir automaticamente a linguagem de sinais, facilitando a comunicação entre os dependentes de suas mãos e a possibilidade de conversar com qualquer pessoa. Acompanhar como as mãos se movem e como isso muda com o tempo, como o desenvolvimento de tremores, também pode ser usado para diagnosticar e detectar os primeiros sinais de condições como a de Parkinson.


Por Solange Mata Machado é diretora-executiva da Imaginar Solutions. Doutora e mestre em inovação e competitividade pela FGV com pós-doutorado (pós-doctor) em neurociência aplicada à tecnologia pela UFMG. Engenheira elétrica com BS pela Universidade Columbia (EUA) e especialização em empreendedorismo e inovação pela Universidade Hitotsubashi (Japão), pela Universidade Renmi da China, pelo Technion – Instituto de Tecnologia de Israel, pela Universidade Yale (EUA), pela Babson College (EUA) e pela Creative Education Foundation (EUA). E contribui com o portal digital Business Leaders e palestrante do Business Leaders Fórum