Inovação na INCERTEZA

Pesquisas realizadas mostraram que as empresas inovadoras investiram mais em P&D durante a crise econômica financeira, e estes investimentos trouxeram lucratividade e crescimento.


O momento atual tem trazido grande e profundas preocupações para TODOS os negócios. Alguns com impactos  imediatos, outros  com modificações que estão começando a se pronunciar com mudanças acontecendo em várias partes do seu modelo de negocio. Algumas áreas de transformação já mudaram o panorama corporativo:


1 – Modelos de vendas. Segundo a pesquisa B2B Decision-Maker Pulse da McKinsey, 96% das empresas migraram seu modelo de entrada no mercado desde o pandemia, para o digital. A cobertura de vendas foi completamente redefinida com a tecnologia digital.

2 – Novas ofertas. O canal de distribuição encurtou. As ofertas estão indo diretamente para o consumidor final.  Olha o exemplo do setor de alimentos. Os distribuidores de alimentos que tradicionalmente forneciam para os restaurantes estão entregando direto ao consumidor.  A indústria do entretenimento seguindo o mesmo modelo. As orquestras, museus, cinemas,  estão transmitindo conteúdo digital para permitir que as pessoas desfrutem de suas ofertas no conforto e segurança de casa

3 – Mudança de hábito do consumidor. Plataformas de conhecimento e comunicação como o Zoom, Crowdcast, Teams, por exemplo, tiveram um crescimento constante, concentrando-se nos clientes corporativos. Com configurações simples e conectividade quase viral, as plataformas de comunicação se tornaram meio para inúmeras aplicações: artes, religião, condicionamento físico e conexões sociais com colegas, amigos e familiares.

4 – Oportunidades de entrada em segmentos com barreiras competitivas. A pandemia abriu oportunidades de mudança no fornecimentos de setores tradicionalmente protegidos. Veja o exemplo da produção de ventiladores hospitalares. A escassez no mercado propiciou a entrada e novos competidores que por questões de saúde pública foram  absorvidos como novos entrantes.


Mas este relato é simplesmente para mostrar que na CRISE é que surgem oportunidades. Tenho afirmado e insistido neste tema nos comitês de inovação que participo. Agora está na hora de fazer um sacrifício e investir nos GAPS que estão surgindo no mercado. A McKinsey publicou artigo que constata com exemplos as oportunidades de INOVAÇÃO que surgiram nas crises.


Exemplos: Com a crise financeira de 2009, a tecnologia permitiu a criação de mercados para ativos subutilizados, assim como as pessoas buscavam novas fontes de renda muito necessárias, pegando os operadores despreparados. A epidemia de SARS que devastou a Ásia em 2002 e levou seus cidadãos a se abrigar foi o impulso para o crescimento e a ampla adoção do comércio eletrônico naquela região, tornando a China o epicentro da inovação em torno do comércio social. O foco mais recente na crise das mudanças climáticas levou a um crescimento significativo de equipamentos solares e carros elétricos, além de inovações em torno de alimentos mais “amigáveis à terra”, como substitutos da carne à base de plantas.




Embora todos os oito Fatores apresentados pela McKinsey sem períodos de estabilidade a pesquisa mostra que aspirar e escolher são prioritários. Porém, em crises como estamos vivendo Descobrir, Evoluir e Escolher; ajudam a reorientar o foco. Seguidos de Aspirar, Acelerar e Escalar  para investir nos níveis e velocidade necessários, tendo em vista que os mercados também estão vivenciando transformações com a criação de ecossistemas novos.  Finalmente, Mobilizar-se para colocar em prática o talento apropriado e incentivos para ativar os planos de inovação.


Pesquisas realizadas  pela  Booz& Co mostraram que as empresas inovadoras investiram mais em P&D durante a crise econômica financeira de 2008/2009, e estes investimentos trouxeram lucratividade e crescimento.


Da mesma forma ao Gartner pesquisou 30 das 1000 maiores empresas que se aceleraram durante a crise de 2008. Todas investiram em novas opções de crescimento invés de se limitarem em somente cortar custos.


Também a Bain & Co obteve a mesma conclusão depois de analisar 5000 companhias durante 10 anos. Crescer fora do seu negócios foi a melhor estratégia escolhida pelas empresas.


Espero que depois de ler este artigo, voce como inovador esteja preparado para fazer as escolhas estratégicas para aproveitar as oportunidades que estão surgindo no mercado. Aqui vão algumas dicas para ajudar:


1 – Forme um time multifuncional com pessoas que tenham MINDSET de CRESCIMENTO. Que sejam capazes de trazer novas perspectivas e novos conhecimentos para a sala de discussão


2 – Crie cenários de possibilidades, avaliando as mudanças de hábitos do consumidor e os gaps de oportunidades que surgiram no mercado.


3 – Avalie os recursos e competências existentes no negócio. Expanda seu olhar para o seu eco-sistema. Invista em novas parcerias.


4 – Priorize e pivote redirecionando os investimentos. Sprints semanais.


5 – Desenhe, desenvolva e recrie seu modelo de negócio


E Boa Jornada!!!


Por Solange Mata Machado, Pós-doutora em aplicação da  neurociência em inovação pela UFMG, doutora  e mestre em inovação e competitividade pela FGV. Atualmente dirige a Imaginar Solutions. E é palestrante do Business Leaders Fórum.