top of page

MINDSET de abundância

Líderes inovadores não nascem feitos, eles aprendem!

Líderes quando tomam consciência de como o cérebro funciona aprendem a desenvolver o MINDSET para resolver os problemas complexos e desafiadores.

Para enfrentar o mundo em transformação é necessário aumentar a consciência de como pensamos ativando capacidades que possibilitam PENSAR DIFERENTE.

Especialmente no mundo BANI. Essencial ativar as partes pré-frontais do córtex. Pois é nesta parte do cérebro onde reside a criatividade e o pensamento crítico essenciais para maximizar o seu potencial cognitivo e atingir cognição máxima em FLOW.

Quando estamos com a nossa consciência ativada olhamos para o mundo com o MINDSET de ABUNDÂNCIA. Nossa percepção fica aguçada, percebemos com clareza os sinais do ambiente e reagimos com adaptabilidade e resiliência. Segundo Peter Diamandis um MIDNSET de abundância pode transformar sua vida, sua equipe e sua empresa.

Viemos de um mundo linear onde o MINDSET de escassez era inerente. O mundo hoje está se movendo rapidamente em direção à abundância com a entrada das tecnologias exponenciais como IA, Robótica e VR que estão rapidamente desmaterializando, desmonetizando e democratizando produtos e serviços.

Coisas que costumavam estar disponíveis apenas para os mais ricos e a elite agora estão disponíveis para quase qualquer pessoa – em qualquer lugar do mundo. Uma criança no Zimbábue pode pesquisar no Google qualquer informação que quiser ou até mesmo fazer uma videoconferência com alguém do outro lado do mundo – gratuitamente.

Muitas coisas pelas quais pagamos milhões de dólares por apenas algumas décadas atrás agora estão disponíveis em nossos smartphones sem nenhum custo. PORÉM… TEMOS UM DESAFIO COMO SERES HUMANOS.


Nossas mentes evoluíram durante um mundo de escassez, centenas de milhares de anos atrás, e a maioria das pessoas permanece presa a um MINDSET de ESCASSEZ. Em um mundo de escassez, o bolo é limitado. Se o seu vizinho pegar uma fatia, você terá uma fatia menor. Este é um mundo de recursos limitados e competição de soma zero.

Mas quando você tem um MINDSET DE ABUNDÂNCIA, em vez de fatiar a torta em fatias cada vez mais finas, você cria mais tortas.


Este é o futuro que a tecnologia exponencial possibilita. E essa tendência é verdadeira em quase todos os setores – quer as pessoas percebam ou não.

Lembre-se: criar um mundo de abundância não é criar um mundo de luxo, é criar um mundo de possibilidades.


6 BENEFÍCIOS DE UMA MENTALIDADE DE ABUNDÂNCIA:

(1) Você entende que o mundo está se tornando mais abundante e isso permite que você mantenha uma visão esperançosa e atraente para o futuro.


(2) Você não se ressente de oportunidades perdidas porque entende que está vivendo em um mundo de oportunidades cada vez maiores.


(3) Você não tem medo do futuro. Em vez disso, você o abraça.


(4) Você vê os concorrentes como colaboradores em potencial em um mundo de oportunidades de negócios cada vez maiores.


(5) Você está reinventando seu negócio por meio de uma lente digital – constantemente desmaterializando, desmaterializando e democratizando seus produtos e serviços, tornando-os disponíveis para uma base de clientes cada vez maior a um custo cada vez menor.


(6) Como líder, você transmite um futuro promissor e atraente que inspira e orienta seus funcionários e clientes USANDO CAPACIDADES QUE ESTÃO INTEIRAMENTE AO SEU ALCANCE.


Confira algumas das características de um líder de MINDSET de ABUDÂNCIA:


1) SER CURIOSO sobre cada elemento de um problema:

Pergunte implacavelmente: “Por que isso acontece?” Infelizmente, em algum lugar entre a pré-escola e a sala de reuniões, tendemos a parar de perguntar. Este é um dos grandes desafios na busca de soluções de problemas.Temos inúmeros vieses cognitivos que limitam as nossas escolhas. Como por exemplo, os vieses de confirmação, de disponibilidade ou de pular muito rápido para primeira solução que surge ou até mesmo se apegar às soluções que você tem mais afinidade. As melhores soluções – e as mais criativas – vêm sempre no final de um exercício intenso de curiosidade, de motivação criativa e de diversidade de opiniões e perspectivas.


(2) BUSCAR imperfeição, com alta tolerância à ambigüidade:

Resolver problemas complexos envolve muitas tentativas e erros. Formulamos hipóteses, analisamos os dados e, em seguida, revelamos e refinamos (ou descartamos) nossa suposição inicial para a resposta. Este processo requer uma aceitação da imperfeição e uma tolerância para a ambigüidade.


(3) VER através de múltiplas lentes:

Cada ser humano guarda na memória de longo prazo informações conscientes e inconscientes que são adquiridas em função da experiências que tiveram ao longo da vida. Pessoas diversas, especialmente neuroquímicamente tendem a ter perspectivas diferentes. Formas diferentes de olhar a mesma situação.


(4) EXPERIMENTAR incessantemente:

A solução de problemas complexos é paradoxal. Portanto, as incertezas precisam ser resolvidas como se fossem experimentos. Testando os limites do desconhecido versus o conhecido. Cada movimento e cada experimento não fornecem apenas informações adicionais para a tomada de decisões, mas também criam recursos e ativos que dão suporte a etapas posteriores.


(5) EXPLORAR a inteligência coletiva:

É um erro pensar que em sua equipe você tem as pessoas certas para resolver qualquer desafio. Eles não estão lá!!!! Eles estão invariavelmente em outro lugar. Aprenda a usar o seu ECOSSISTEMA!!


(6) ADAPTABILIDADE ÁGIL:

A falta de dados não é um impedimento para se adaptar e criar rapidamente novas soluções para os desafios que mudam constantemente. Seus próprios experimentos geram seus próprios dados; e isso possibilita gerar ideias que outras pessoas não têm. Quanto mais amplos os círculos de informações que você acessa, mais provável que suas soluções sejam novas e criativas. Colabore para acessar a colaboração de parceiros.


Lembre-se que ao invés de dividir um pedaço da torta você irá produzir MUITAS TORTAS!! MUITAS POSSIBILIDADES!


Por Solange Mata Machado é diretora-executiva da Imaginar Solutions. Doutora e mestre em inovação e competitividade pela FGV com pós-doutorado (pós-doctor) em neurociência aplicada à tecnologia pela UFMG. Engenheira elétrica com BS pela Universidade Columbia (EUA) e especialização em empreendedorismo e inovação pela Universidade Hitotsubashi (Japão), pela Universidade Renmi da China, pelo Technion – Instituto de Tecnologia de Israel, pela Universidade Yale (EUA), pela Babson College (EUA) e pela Creative Education Foundation (EUA). E contribui com o portal digital Business Leaders e palestrante do CIO Leaders@digital.

Comments


bottom of page