Telemedicina no isolamento social: até onde ela pode ir?

A dermatologista Luciana Garbelini explica quais as vantagens do uso da tecnologia na área da saúde em tempos de pandemia, além de esclarecer em quais momentos usar


Diante do cenário atual, o Conselho Federal de Medicina (CFM) reconheceu no mês passado a possibilidade de serem adotadas no país, em caráter excepcional e enquanto durar o combate à pandemia de COVID-19, algumas modalidades da telemedicina. De acordo com a entidade, a autorização tem por objetivo proteger tanto a saúde dos médicos como a dos pacientes. Além disso, final do mês passado, o Senado aprovou projeto de lei que permite a prática de consultas médicas virtuais em caráter emergencial durante este período.


A telemedicina é o exercício do ofício por meio da utilização de metodologias interativas de comunicação audiovisual e de dados com o objetivo de assistência, educação e pesquisa na área da saúde. De acordo com o documento, a prática poderá ser exercida em três moldes: teleorientação, que permite que os médicos realizem à distância a orientação e o encaminhamento de pacientes em isolamento; telemonitoramento, que possibilita que, sob supervisão ou orientação médica, sejam monitorados a distância parâmetros de saúde e/ou doença; e teleinterconsulta, que permite a troca de informações e opiniões exclusivamente entre médicos, para auxílio diagnóstico ou terapêutico.


Segundo a dermatologista Luciana Garbelini, a telemedicina é uma ferramenta de grande utilidade para situações como a que vivemos hoje. “O isolamento social requerido nos obriga a pensar em novas alternativas para o exercício da medicina. Assim, a telemedicina, apesar da sua complexidade, torna-se útil em alguns casos”.


Telemedicina e a dermatologia


Na dermatologia, alguns estudos internacionais - realizados em locais em que a telemedicina já é rotina – apontaram que os eczemas e as lesões foliculares foram bem diagnosticados, enquanto em outros, foram observados que os diagnósticos mais acurados eram os casos de verrugas virais, herpes zoster, acne vulgar, dermatite irritante, vitiligo e infecções bacterianas e fúngicas. Atualmente, as lesões pigmentadas suspeitas de melanomas são um dos casos mais referidos para o uso da tecnologia. 


“Assim, é possível aplicar essa tecnologia em algumas situações: para realizar retornos de consultas, acompanhamentos de patologias crônicas já controladas, como vitiligo, psoríase, dermatite atópica e calvície, assim como orientações de rotinas de cuidados com a pele”, explica. No entanto, segundo a médica, em casos como alergias, dermatites agudas ou infecciosas, é imprescindível a consulta presencial. “A tecnologia pode ser útil para realizar uma triagem, mas ela por si só não resolve o problema. É necessário o contato com o médico para o diagnóstico final”.


De acordo com a dermatologista, a telemedicina agregará neste momento, mas é importante muito critério no seu uso. Ela nunca substituirá a consulta presencial do profissional da saúde. Apenas somará em momentos específicos, otimizando o tempo tanto do paciente como do médico. “Além de casos atípicos como este em que estamos vivendo, acredito que, no futuro próximo, a tecnologia na área da saúde será uma ferramenta útil para fazer triagem, levando o indivíduo diretamente ao especialista apropriado para sua doença, com intermédio de outro médico não especialista”.

Por Dra. Luciana Garbelini - Dermatologista Membro da Sociedade Brasil


#Telemedicina