LinkedIn revela as empresas em que os brasileiros sonham trabalhar em 2019

Atualizado: 8 de Jun de 2019


Na lista das LinkedIn Top Companies 2019, está o ranking anual com as 25 principais empresas onde os brasileiros sonham trabalhar. Esta é a quarta edição da lista, elaborada a partir de dados do LinkedIn e de ações dos mais de 36 milhões de usuários brasileiros da plataforma. Além do Brasil, a lista é realizada no México,  Estados Unidos, Austrália, Canadá, França, Alemanha, Índia, China, Japão e Reino Unido.


A lista deste ano é liderada pelo segundo ano consecutivo pelo Itaú Unibanco, seguido pelo Santander, em 21º lugar no ano passado. A terceira colocação ficou com a estreante Movile.

O setor financeiro esteve em alta na edição deste ano, trazendo também novos nomes como Bradesco, Safra, BTG Pactual e Grupo XP. No total, são 16 empresas que figuram pela primeira vez na lista. Duas startups também aparecem no ranking: Nubank e Stone. Elas inclusive também estavam presentes na lista das LinkedIn Top Startups de 2018, em 1º e 5º lugar, respectivamente.


As empresas de tecnologia também ganharam notoriedade. Além da Movile, de aplicações móveis, a lista de 2019 conta com a centenária IBM, TOTVS e Oracle, especializadas em banco de dados e softwares de gestão, e a Resultados Digitais, focada em marketing digital.


A lista é elaborada pelo time editorial do LinkedIn, que trabalha de maneira independente das áreas de negócios da empresa. Como todas as outras listas do LinkedIn, a de Top Companies foi desenvolvida com base em uma análise nas ações dos mais de 610 milhões de usuários e 30 milhões de companhias cadastradas no LinkedIn no mundo, por meio da ferramenta LinkedIn Talent Insights.. “Nossa classificação baseia-se no que os usuários estão fazendo, e não apenas dizendo, em sua busca por uma carreira de sucesso. Dentre os fatores analisados estão o interesse na empresa, interação com os funcionários da empresa, demanda por vaga e retenção de funcionários”, explica Rafael Kato, editor-chefe do LinkedIn para a América Latina.


O ranking inclui ainda apenas empresas com mais de 500 funcionários; leva em conta ações dos 12 meses encerrados em janeiro de 2019; agrupa as subsidiárias integrais de uma empresa na pontuação final da empresa matriz; e exclui o LinkedIn e sua controladora, a Microsoft, da consideração. Também são excluídos da consideração usuários cuja relação com as empresas seja de meio-período ou terceirizada.


Confira abaixo a lista completa das LinkedIn Top Companies de 2019 no Brasil, por ranking:


  1. Itaú Unibanco

  2. Santander

  3. Movile

  4. Grupo XP

  5. Safra

  6. Bayer

  7. Raízen

  8. IBM

  9. Oracle

  10. BTG - Pactual

  11. Resultados Digitais

  12. Bradesco

  13. Vivo

  14. GPA

  15. Suzano

  16. TOTVS

  17. Johnson & Johnson

  18. Grupo HEINEKEN

  19. Stone Pagamentos

  20. GOL Linhas Aéreas Inteligentes

  21. brMalls

  22. Syngenta

  23. Nestlé

  24. Nubank

  25. AmBev


Metodologia detalhada


O LinkedIn classifica as empresas com base em quatro pilares: interesse na empresa, interação com funcionários, demanda da vaga e retenção de funcionários. O interesse na empresa é medido por novos e únicos seguidores não-funcionários da LinkedIn Page da empresa. Já a interação com funcionários analisa quantos não-funcionários são visitantes únicos de perfis de funcionários da empresa. A demanda por vaga conta a taxa em que as pessoas estão visualizando e se candidatando a vagas na empresa, incluindo anúncios de vagas pagos e não pagos no LinkedIn. E por fim, a retenção de funcionários mede, com base em perfis de usuários do LinkedIn, o número de funcionários que ainda estão na empresa pelo menos um ano após sua data de admissão.

Para se qualificarem, as empresas deveriam ter no mínimo 500 funcionários em 1º de fevereiro de 2019 e um crescimento inalterado ou positivo durante o período de 12 meses. Apenas empresas controladoras aparecem na lista; subsidiárias com participação majoritária e dados associados são agregados em sua pontuação total. Todos os dados são normalizados com base no tamanho da empresa. A metodologia e a estrutura de tempo das estatísticas vão de 1º de fevereiro de 2018 a 31 de janeiro de 2019. Todos os dados são consolidados e anonimizados, para protegermos as informações privadas dos usuários.


Excluímos ainda as agências de emprego e de seleção de pessoal, organizações sem fins lucrativos, instituições educacionais, agências governamentais e entidades públicas. Também não consideramos o LinkedIn e sua empresa controladora, a Microsoft.


Estatísticas sobre empresas


As estatísticas sobre as empresas provêm do LinkedIn Talent Insights e incluem a empresa-mãe e as subsidiárias controladas. Os dados refletem informações públicas dos usuários ativos no País e incluem perfis no LinkedIn de funcionários em tempo integral associados à empresa-mãe e às subsidiárias com participação majoritária. Nós excluímos usuários cuja relação com as empresas seja de meio-período ou terceirizada. O número de funcionários é fornecido diretamente pelas empresas, a menos que observado de outro modo sinalizado com um asterisco (esses baseiam-se em dados do LinkedIn). As estatísticas referem-se a um período de 12 meses encerrado em fevereiro de 2019.